Liberdade global da Internet diminui pelo 9º ano consecutivo em 2019


Um relatório intitulado 2019 Freedom on the Net publicado pela Freedom House, uma organização de vigilância com sede em Washington divulgou segredos sobre o declínio da liberdade na Internet.

O relatório analisa a liberdade da Internet em 65 países, que constituem 87% do total de usuários da Internet no mundo. E esses são uns dos pontos importantes do relatório:

A liberdade global da Internet continua a diminuir pelo 9º ano consecutivo

O relatório menciona que a liberdade global da Internet diminuiu pela 9ª vez consecutiva em 2019. Dos 65 países em questão, 33 países estão em declínio geral desde junho de 2018.

Os países onde a liberdade na Internet diminuiu mais são o Sudão, Cazaquistão, Brasil, Bangladesh e Zimbábue. Por outro lado, 16 países testemunharam uma melhoria geral na liberdade da Internet.

China - o pior abusador da liberdade na Internet

Segundo o relatório, a China é o pior abusador da liberdade na Internet pelo quarto ano consecutivo. A China é notória pela censura na Internet e o relatório confirma isso ainda mais. As autoridades da China já proibiram plataformas populares de mídia social como Facebook, WhatsApp e mais, e o país está implantando infame sistemas de vigilância em diferentes regiões.

A Islândia liderou a lista de países com liberdade na Internet. Tornou-se o melhor protetor dos direitos da Internet dos cidadãos, sem nenhum processo civil ou criminal contra os usuários da Internet por se expressarem.

Quase 90% dos usuários da Internet estão sendo monitorados

O relatório Freedom on the Net apresentou estatísticas impressionantes, como 3 bilhões de usuários da Internet, que representam 90% dos usuários, sendo monitorados por um ou outro tipo de sistema de vigilância. O relatório diz que países como o Irã e a China enviaram funcionários ou organizações privadas para escanear os dados de seus cidadãos.
Os EUA estão ensinando outros países a monitorar cidadãos

Mesmo os EUA estarem livres de censura na Internet, está ensinando outros países a monitorar seus cidadãos!

O relatório menciona que oficiais das Filipinas viajaram para a Carolina do Norte para receber treinamento sobre o desenvolvimento de uma nova unidade de monitoramento de mídia social. O pessoal do Rapid Action Batallion de Bangladesh também viajou para os EUA em abril de 2019 para aprender o rastreamento com base na localização.

Além disso, o relatório culpa as plataformas de mídia social por promover o iliberalismo. Já vimos maus atores da Rússia divulgando informações falsas e se intrometendo nas eleições nos EUA. O relatório apresenta alguns fatos reveladores. Você pode ter acesso total ao relatório abaixo.

FONTE: FREEDOM ON THE NET

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.